Ocorreu um erro neste gadget

quinta-feira, 4 de setembro de 2008

Quanto vale uma vida ?

Hoje, em meio a goles de um expresso aromático e encorpado, conversava com meus colegas do inglês. Perguntaram-me do que se tratava os arranhões na minha testa.
Respondi muito sinceramente que havia sido atingido por um tijolo. Reações enérgicas e de espanto, como era de se esperar. Aliás, ser atingido por tijolos no rosto soa mais como um roteiro de filmes da estirpe de "Premonição". É, no mínimo, tosco.

Pois bem. A conversa foi se desenrolando, até o ponto em que relatávamos histórias de conhecidos que quase morreram. O assunto seguinte foi "mortes bestas" (termo, por sinal, bastante sarcástico). Algo como escorregar enquanto se lava o banheiro, bater e cabeça e um abraço. Ou como brincar de ninja em cima de um muro e... outro abraço. Chegamos à conclusão de que a vida é frágil.
Fisicamente falando ela é realmente frágil, basta um órgão do corpo parar para que a vida biológica se esvaia. Muito simples. Mas do ponto de vista social, ela é muito mais frágil e muito mais maléfica se for tirada, e seu poder de influência sobre outras vidas é ainda maior.




Meu ego não falha. Não ando pelas ruas pensando se vou ser ou não atropelado, ou sequestrado, ou assaltado sob a mira de uma arma. Realizo minhas atividades cotidianas convicto de que vou acordar no dia seguinte, dar bom dia aos meus pais e tomar o primeiro café do dia.
Mas ao tomar uma tijolada na cabeça, pensar "Ahhh, se eu estivesse mais pra esquerda..." se torna inevitável. Os ses surgem do nada, invadindo todas as minhas percepções do que faço diariamente.

Somos surpreendidos pelo acaso todos os dias, a todo instante. Um passo em falso pode significar um dente quebrado. Uma diferença de centímetros na minha posição determinou alguns arranhões, e não pontos no meio da cabeça.
E essa reflexão me trouxe outra: quanto vale uma vida ?

Levamos anos para construir amizades, paixões, para alcançar metas, para traçar objetivos. Todos os momentos se unem numa longa vida, que pode desaparecer num piscar de olhos, sem dar satisfação nem pra onde vai nem de quando vai voltar.
Basta a um homem apertar um botão e lá se vão milhares de vidas. Vira estatística crua. Morre gente a todo instante. Nasce gente a todo momento. Às centenas, aos milhares, ou ainda às centenas de milhares. Milhões são miseráveis famintos e se vivem ou não é algo realmente questionável.
Nossa passagem por aqui é, ao mesmo tempo, efêmera e demorada. E pode passar despercebida, tanto pelo eu como pelo outro.

Atribuir valor a algo tão vago e multifacetado como é o conceito de vida é bastante complexo, principalmente vindo de um pretenso economista. Mas, independente do que seja o valor, somente espero dá-lo em generosas doses à minha vida, ao menos até uma possível próxima tijolada.

terça-feira, 2 de setembro de 2008

"O espetáculo está em toda parte"

"A alienação do espectador em proveito do objeto contemplado (que é resultado da sua própria atividade inconsciente) exprime-se assim: quanto mais ele contempla, menos vive; quanto mais aceita reconhecer-se nas imagens dominantes da necessidade, menos ele compreende a sua própria existência e o seu próprio desejo.
A exterioridade do espetáculo em relação ao homem que age aparece nisto, os seus próprios gestos já não são seus, mas de um outro que lhos apresenta.
Eis porque o espectador não se sente em casa em parte alguma, porque o espetáculo está em toda parte"


Assim diz Guy Debord, na trigésima tese de sua obra, "A Sociedade do Espetáculo".
Arriscarrei uma reflexão diante das palavras do escritor francês, tomando minha própria experiência como objeto.

Esses dias parei para pensar no quanto eu sou eu mesmo. Soa vago e infantil, meio que uma digressão oriunda de uma crise existencial como outra qualquer. Mas não. Não se trata de crise.
As palavras de Debord me chamam a atenção para dois aspectos: a contemplação e o espetáculo. Ambos, ao meu ver, se completam, coexistem.
Se eu me perguntar o que quero da minha vida, vou responder que quero viver bem, viver bem materialmente. Pensando dessa forma, a linha faz todo sentido, tudo se encaixa:

Colégio bom --> Faculdade boa --> Emprego bom --> Salário bom --> Necessidades materiais atendidas --> Velhice endinheirada --> Caixão de veludo

(Claro, todo esse materialismo está inserido numa rede social. Embora seja construída em função da finalidade última, é, não obstante, uma rede social.)

Fiz a experiência de, durante corriqueiras conversas, ouvir atentamente porque a maioria dos meus colegas de faculdade fazem o curso que estão fazendo. A resposta é quase sempre a mesma. "Quero ficar rico". Já começa a me parecer uma questão cultural. Mas se olharmos para o que nos rodeia, no que concerne à construção prática de vida, vamos perceber que tudo está condicionado ao materialismo. A infraestrutura de Marx se afirma. Consumo transmuta-se em poder. O consumista se torna o alvo da contemplação, a expressão do espetáculo, o auge do ator social.
O grosso da sociedade ocidental (se é que já podemos excluir os orientais disto) quer ser como ele. Eu quero ser como ele. Comprar, comprar. E contemplar o espetáculo, me tornar o espetáculo. Na TV tudo fica muito mais claro. O Sistema legitima o espetáculo, a contemplação, torna-o parte da vida cotidiana. E não estou falando de capitalismo, trata-se de algo muito mais além, que falho em identificar.

Não quero ser Gabriel, quero ser Richard Gere, Cazuza, Daniel Craig, Rodrigo Santoro, Mingus, Hendrix, o barman, o presidente, o carinha da propaganda... Tudo menos Gabriel, Gabriel é muito sem graça.
Mas quem é Gabriel ? Pego emprestado as palavras de Debord: cada vez mais compreendo menos a minha existência e o meu próprio desejo. Me perco totalmente na espiral do que sou, do que quero ser e do como quero ser.